Tecnologias para 2013

Publicado a: 05/Dec/2014 ; Por: Tiago Araújo

Conheça os produtos tecnológicos e as tecnologias mais esperadas para 2013, bem como as mudanças previsíveis nos principais produtos de 2012.

2012 acabou e o mundo continuou. Este ultimo ano foi marcado pelo principio do fim da era do PC. Tablets, smartphones e híbridos vão tomar os primeiros lugares dos produtos mais procurados pelo publico.

Os PCs vão continuar a existir, claro, mas para um publico mais especifico. Programadores, designers, e basicamente toda a multimédia vai continuar a necessitar de teclados e monitores grandes, acompanhados por poder de processamento.

Intel, AMD e Microsoft vão fazer de 2013 um ano de mudança, bem como muitas outras empresas que dependem totalmente do mercado dos PCs. A Microsoft já começou a mudança em 2012, mas ainda está longe do lugar que ambiciona neste novo mundo, de tablets e smartphones.

No lado oposto está a Google, domina o mercado mobile, domina a internet e só está a ter dificuldade num ponto, o social. Android, Chrome, Youtube, Google e Gmail são alguns produtos que utiliza todos os dias e que pertencem ao Google.

3D novamente, mas agora impresso!

Foi uma das grandes novidades de 2012, a impressão em 3D, à muito esperada por muitas pessoas, chega ao mercado em 2013 e vai trazer uma facilidade enorme na criação de maquetas e de protótipos.

Foi um dos projectos mais financiados da plataforma Kickstarter, conseguindo quase 3 milhões de $ em investimento, por pouco mais de 2 mil investidores. O objectivo da FarmLabs eram apenas 100 mil $.

A revolução em muitas áreas será enorme, o baixo investimento comparado com outros processos e a facilidade de criação de pequenas formas trará grandes vantagens para determinados mercados. Estas vantagens podem resultar ainda em novidades e mais criação e inovação!

Chega ao mercado em Maio de 2013, com um preço de 3299$, cerca de 2491€, ou 6726R$.

Leap Motion

 

Gestos! Gestos, em todo o lado!

A Kinect já possui alguns anos, foi um produto de sucesso e um dos produtos mais vendidos de sempre! Com este assessório para a Xbox 360 começou a revolução dos gestos, sem qualquer tipo de controlo. Apesar das vendas, hoje é possível conceber produtos com maior precisão que o gadget da Microsoft e é neste ponto que os gestos chegam em 2013.

2013 será o ano do Kinect 2, com a possibilidade de jogar títulos a serio nesta plataforma, e não apenas fazer exercícios.

Em 2012 o mundo dos gestos foi exclusivo da plataforma Xbox 360, no final do ano chegou ao mundo Windows, mas ainda com o nome Kinect. Em Fevereiro de 2013 chega o Leap, um acessório para PC, com a mesma funcionalidade do Kinect, mas com uma precisão superior.

O Leap consegue distinguir e utilizar todos os dedos da sua mão, ao contrário do Kinect que apenas utiliza a mão como um todo.

Ainda nos gestos, chega-nos a Gesture Suite, desenvolvida pela Elliptic Labs e concebida para o controlar o Windows 8 com gestos, sem qualquer tipo de toque. Pelo vídeo apresentado, não será necessário qualquer acessório para o efeito, apenas a câmara frontal do seu portátil.

Resolução acima do Full HD, segundo ecrã e HFR

Por muito que os fabricantes queiram fazer do 3D uma tecnologia comum dentro de casas, o consumidor não está interessado neste, pois quem produz conteúdo também não o está.

Em Portugal ainda se grava em 4:3, mas já existem muitos canais em HD. É na resolução que se passará uma das maiores revoluções nos ecrãs. A Apple mais uma vez, deu o primeiro passo ao lançar um Macbook Pro com ecrã de Retina.

Ainda em 2012 foi possível ver as TVs com resolução de 4K. Em 2013 as resoluções acima do Full HD vão chegar em peso aos PCs e aos monitores em geral.

HFR e os 48 FPS

No final de 2012 "Hobbit: Uma jornada inesperada" chegou aos cinemas com um frame-rate de 48 frames por segundo, 48 FPS, a esta tecnologia dá-se o nome de HFR (High Frame Rate). Até então, no sistema Europeu PAL, tínhamos 25 FPS como padrão desde de 1929, com frames entrelaçados para que o olho humano não notasse o slide de frames que ocorre no vídeo. Isto porque o olho humano não consegue aperceber-se da quebra entre imagens quando vê mais de 55 imagens por segundo, aproximadamente.

Com a quebra do padrão, e com o publico a ser chamado mais facilmente ao cinema com novas tecnologias, como aconteceu com o 3D, é muito provável que o HFR seja mais vezes utilizado em outras obras no cinema.

A diferença entre os 48 FPS e os 25 FPS é muito pouca, até porque na maioria dos casos, o olho humano já está habituado a ver vídeos e operações a 60 FPS nos computadores. A diferença está na velocidade dos gestos que poderá parecer maior e por isso, também existirá uma melhor definição.

 Xbox-SmartGlass

Xbox SmartGlass

 Este é o campo onde a Microsoft mais se sente à vontade, isto porque o Xbox SmartGlass é compatível com Windows, iOS e Android e para já, único neste aspecto.

A experiência de utilizar um segundo ecrã nos jogos, vídeos e musica, para obter mais informação começou em 2012. No caso dos jogos, a Wii U e o seu controlo fazem algo parecido, mas muito mais limitado em plataformas e conteúdo.

Utilizando a Xbox 360, pode associar através do SmartGlass, uma tablet, smartphone, ou computador, funcionando estes como segundo ecrã, com informações adicionais. Mapas, pontuações e informações sobre locais e assuntos relacionados são alguns dos exemplos de utilização.

A utilização do 2º ecrã será muito mais comum em 2013, com um maior numero de jogos e vídeos a utilizar esta tecnologia, até porque a compatibilidade é enorme!

Gaikai-cloud-gaming

O fim das consolas de jogos

A opinião parece ser generalizada, 2013 será o ano das ultimas consolas. 2012 foi o ano da Cloud, onde os programas estão instalados num servidor e não num disco de armazenamento no seu PC, ou qualquer outro tipo de maquina.

Em 2013 deverão ser lançadas duas consolas clássicas, a da Sony e a da Microsoft, Playstation 4 e Xbox 720 são nomes tradicionais, mas até podem ser diferentes. Tudo aponta para o lançamento de uma nova plataforma de jogos no final de 2013, principalmente o reduzido numero de jogos anunciados para essa época, entre outros dados.

Por norma, as consolas conseguem sempre um período de 6 a 7 anos onde são topo de gama. Estes dois modelos a serem lançados em 2013 só deverão ser substituídos em 2019.

Se em 2012 se utilizou a palavra Cloud para basicamente tudo, até para o que já era Cloud à 20 anos, agora ganhou Cloud no nome. Em 2019 a tecnologia será absolutamente banal. Jogos, programas, ficheiros estarão armazenados em servidores e não em computadores.

Há quanto tempo não coloca um CD/DVD/BLu-ray no seu PC? Este é outro factor. Actualmente descarrega mais software do que insere através de um disco. A tendência parece seguir para um paradigma em que nem descarrega o produto, utiliza-o a partir de um servidor.

Como já dissemos diversas vezes, acreditamos que esta seja a solução para a pirataria, pelo menos, para a abrandar. Adobe e Microsoft já utilizam tecnologias "híbridas" neste aspecto.

Nos jogos a Sony parece mais pronta que a Microsoft, isto devido à aquisição da Gaikai. No entanto, a Microsoft está mais preparada para um domínio da sala, com Xbox Music e aplicações como ESPN e Netflix para a distribuição de conteúdo.

Onlive e Steam

É neste momento que entram alguns players mais notáveis neste aspecto e já com vários anos, Steam e Onlive. Onlive é uma consola onde não descarrega jogos, joga-os através da Cloud. Steam é a melhor loja de jogos da actualidade, é muito provável que invista numa consola/pc para descarregar títulos, ou crie o seu sistema na Cloud.

OUYA

OUYA

Ainda nos jogos, em 2013 irá surgir a OUYA, uma consola com sistema Android. A OUYA entrou na plataforma Kickstarter com o objectivo de obter aproximadamente 1 milhão de $ de financiamento, conseguiu 8,5 milhões de $. O objectivo é correr a plataforma Android e por consequência, os jogos.

Apesar deste forte investimento publico, ou seja, interesse, não acreditamos muito no sucesso desta consola, até porque o Android tem dificuldades em possuir aplicações para tablets com 10 polegadas, quanto mais para monitores de 40 polegadas.

OUYA será interessante, se conseguir correr jogos em HTML5 de forma fluída e convencer os desenvolvedores a programarem para grandes resoluções e proporções de TV. Será difícil, pois o Android é uma plataforma muito pirateada.

Social-2013

Guerra fria nas redes sociais

2012 acabou com dois conflitos eminentes, Twitter vs Instagram e Google vs Twitter. Em ambos os casos o Twitter teve aplicações bloqueadas pelas outras plataformas.

As imagens parecem estar no meio de tanta agitação e a esta guerra será necessário juntar nomes como Flickr e Pinterest. Isto só pode significar coisa boa. O Twitter desenvolveu um sistema de captura, edição e publicação de imagens nas suas aplicações mobile, o Instagram continua vivo, mas cada vez mais nas costas do Facebook e o Google+ continua a crescer.

Se a este caldo acrescentarmos a Microsoft, sabemos que a relação com o Facebook e Twitter parece óptima, também sabemos que falhou ao criar uma rede social de vídeos e que o Windows Live desapareceu, sobra o Skype. Quando falamos em vídeo, temos de voltar a falar no Google+ e nos seus Hangouts. Já agora acrescentamos que o Google recusa-se a lançar aplicativos para as plataformas da Microsoft, Youtube, Gmail, Google+ e Google Maps não estão no Windows 8, nem no Windows Phone.

Tudo isto junto só pode resultar em coisa boa. Fazer previsões nesta área é arriscado, mas é quase certo que vamos terminar 2013 com estas plataformas repletas de novidades.

iOS-7-concept

Mais do que um tal de iPhone 5S, ou um Galaxy S4, será mais importante o iOS7 e o TouchWiz 4

As especificações não vão mover multidões, tal como em 2012 já aconteceu e como nós já dizemos faz algum tempo. O iOS vai continuar a possuir a melhor loja de aplicações do mundo mobile, seja para tablets ou smartphones, mas será a AppStore suficiente?

A Samsung inovou muito no S3, mas inovou mais na interface TouchWiz. O actual S3 possui desempenho que chega e sobra para o Android e para a Google Play. O próximo passo terá de ser entre autonomia, ou interface.

O que pode adiar a aposta na interface/software, ou autonomia? Não acreditamos que sejam os ecrãs dobráveis, a primeira geração de smartphones com estes ecrãs até pode começar a ser pensada/lançada em 2013, mas não marcará o mercado este ano. Portanto, o que resta acrescentar a um smartphone perfeito?

O ecossistema seria a hipótese ideal, mas a Google Play não vai atingir a qualidade da AppStore, a MarketPlace muito menos. Destas 3 plataformas, Android, iOS e Windows Phone, a mais básica de todas na interface é o iOS. Por isso é expectável uma grande evolução neste.

A Samsung possui smartphones poderosos com Android e Windows Phone. Ultimamente a marca tem feito excelentes smartphones, mas que pecam sobretudo nas lojas de aplicações que não são da sua responsabilidade. Fala-se numa aventura a solo da Samsung, mas teria como consequência uma travessia pelo deserto durante muito tempo, no que toca a aplicações e serviços. Algo que já aconteceu na Samsung, e falhou com o Bada.

Mais especificidades e sobretudo mais números não nos parece o caminho a seguir. O que costuma falhar e está ao alcance de qualquer marca é a autonomia. A interface também! Por isso é muito provável que a evolução nos dois smartphones mais cobiçados recaia nestes dois factores.

 
Surface

Nas tablets vamos ter dois mundos, os híbridos e os não híbridos/A hipótese de escolher e a impossibilidade de escolha.

O Windows 8 trouxe nova vida aos híbridos, o fabrico de hardware por parte da Microsoft parece animar mais do que os produtos de outras marcas com funcionalidades semelhantes. Nokia e HTC devem juntar-se à festa das tablets com Windows 8 RT.

O Android e sobretudo a Asus, possuem uma boa tradição de tablets híbridas. Só os iPads é que não permitem este mundo, o que não é surpresa nenhuma.

A Microsoft permite que o utilizador escolha entre o Windows 8 Pro e o Windows 8 RT. O Android possui um grande leque de maquinas por onde o utilizador pode escolher, umas com melhor utilização de teclados do que outras. A Apple decide pelo utilizador.

Os híbridos com Windows 8 Pro dificilmente serão boas tablets, porque possuem pouca autonomia e são pesados. A Apple oferece uma excelente tablet, mas apenas isso, se quiser uma experiência de computador, temos os Macbooks dizem eles. 

Esta filosofia da Apple já é muito antiga, veja que não existe nenhuma maquina com software Apple que não seja Apple(excluindo o iTunes e Safari). Se for prejudicial para a segurança, ou para o desempenho, a Apple escolhe, evitando que o utilizador erre, ou que a escolha do utilizador cause o erro no seu produto. O Windows sempre deu mais liberdade aos utilizadores, e os sistemas Linux (como o Android) ainda mais. Acontece o mesmo no mundo mobile.

intel

É aqui que entra outra empresa de topo que este ano terá de mudar, a wIntel, desculpem, Intel! Lider nos processadores de topo, a Intel deixou-se passar pela Nvidia e Qualcomm no mundo dos processadores ARM para dispositivos mobile.

A historia da Intel, junto do Windows é enorme, daí a alcunha wIntel. Com a chegada dos híbridos, a Intel pode perder o seu mundo perfeito dos PCs com Windows. Por isso é praticamente certo que a empresa aposte numa plataforma capaz de possuir poder de processamento para programas Windows 8 Pro e com autonomia e dimensões suficientes para equipar uma boa tablet.

Algo que poderá ser util também para a Apple.

Alguns gadgets a ter em conta em 2013

Elevation-dock

Elevation Dock

Esta é para muitos a melhor dock para iPhone, e ainda não saiu. Foi um projecto que utilizou a plataforma de investimento Kickstarter e que teve muito sucesso. Chega ao mercado em 2013 e é uma dock construída essencialmente a pensar no momento em que retira o iPhone, ou iPod da dock.

Construída em alumínio, e com um processo de fabrico idêntico ao dos MacBooks, esta Elevation Dock é pesada e por isso ao retirar o iPhone/iPod da dock não levanta como as docks mais leves construídas em plástico. Terá um preço de 89$, cerca de 67€, ou, 183R$.

Pebble

Pebble

Pebble é um relógio que comunica com o smartphone, seja ele Android, ou iOS. Possui aplicações próprias e permite controlar outras aplicações no seu smartphone.

No protótipo apresentado foi possível ver várias aplicações concebidas para este relógio, como controladores e aplicações de apresentação de informação. No Kickstarter o objectivo era conseguir 100 mil $, conseguiram 10 milhões de $. Terá um preço de 150$, cerca de 113€, ou, 308R$.

Galileo

Galileo

 Galileo é um acessório para iPhone, ou iPod, mas também já apresentou utilizações com outros dispositivos. Trata-se de uma plataforma de rotação, controlada pelo iOS. Basta um deslize de dedos no ecrã do dispositivo iOS para que o Galileo acompanhe o movimento.

A parte boa é que o Galileo pode possuir um iPhone (na dock) e ser controlado por outro, ideal para conversações através do Facetime. Este acessório estará disponível para desenvolvedores, por isso poderá também ser utilizado por outras aplicações, possuindo assim novas finalidades.

 

hidden-radio

Hidden Radio

Hidden Radio é uma coluna de som que reproduz som em 360º graus horizontais. A principal novidade nesta coluna é a sua interface mecânica. Basta rodar a tampa superior, para aumentar, ou, diminuir o volume, até um máximo de 80dB.

O controlo de volume é feito pelo "abafar", ou não, das saídas de som. O Hidden Radio pode ser conectado a dispositivos através de um jack de 3,5mm, ou através de Bluetooth. A aplicação de controlo possibilita a utilização de várias colunas. A coluna é móvel e possui uma autonomia de 30 horas. Estará disponível desde de 149$, aproximadamente 112€, ou 305R$.

Oculos-rift

Oculus Rift

Oculus Rift é um projecto fortemente apoiado não só por investidores, mas também pela industria dos jogos. É mais uma tentativa de desenvolver um capacete/viseira de realidade aumentada dedicado aos jogos, com uma diferença em relação aos anteriores, a visão de 110 graus contra os tradicionais 40.

Outra diferença está no preço, o criador do projecto está a vender a primeira linha do produto por cerca de 300$ (226€/615R$), muito abaixo dos preços anteriormente praticados por outras marcas que lançaram produtos semelhantes. Os Oculus Rift deverão ser lançados no próximo mês de Abril.

google-glass

Óculos do Google

Os Óculos do Google foram anunciados em 2012 e o alarido em torno destes foi enorme! O primeiro comercial apresentado foi bastante partilhado. Este é um produto sonhado por muitos, mas que o próprio Google ainda não sabe muito bem a real finalidade do mesmo.

Inicialmente estava previsto o lançamento para o final de 2012, tal não ocorreu e recentemente, o Google veio a publico dizer que ainda se encontra a trabalhar no projecto. 2013 será o ano do sim, ou do não, para este projecto.